quinta-feira, 21 de junho de 2012

Crítica Extra -- Branca de Neve e o Caçador


  
Conto de fadas onde quem brilha é a bruxa
  
  Pessoal essa crítica acabou ficando atrasada por falta de tempo, na semana passada fiquei meio enrolado e não consegui fazer duas críticas como pretendia e essa não saiu (aliás, estou procurando colaboradores para o blog caso tenha interesse, vejaa área de contatos), mas como já estava meio feita resolvi terminar e postar mesmo assim. A dessa semana é Prometheus e ainda vai sair. Explicações dadas... vamos a crítica.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
  
  O clássico livro dos irmãos Grimm, ficou imortalizado na história dos contos de fadas pelo mundo, ainda mais depois que a Disney transformou muitos deles em histórias infantis, sendo que originalmente elas eram mais adultas. E parece que esse ano, uma dessas histórias voltou com força total aos projetos em Hollywood, primeiro com a comédia Espelho, espelho Meu e agora a uma versão que retoma contornos mais sombrios e ganha uma roupagem mais adulta em Branca de Neve e o Caçador que é nosso filme de hoje.
  
  Apesar do estilo sombrio e que transforma a rivalidade entre a princesa Branca de neve e sua madrasta, que é uma bruxa que matou seu pai, em uma guerra - não só pela sobrevivência da princesa, mas também pelo retomada de seu reino e pela memória de seu pai - eu não chegaria a dizer que o filme é uma montagem baseada no livro dos Grimm. Eu diria que é uma versão mais sombria do conto adaptado pela Disney. Não chega a ter o lado do terror muito forte, que é marcante no livro original, e a temática adulta fica só nas entrelinhas, o que remete muito mais ao estilo da versão da animada.
  
  Quem encarna a doce Branca de Neve é Kristen Stewart, a estrela da saga Crepúsculo demonstra certo amadurecimento no papel de protagonista, depois de 4 anos exercendo essa função nos filmes baseados nos livros de Sthefany Meyer. Mas ainda não chega a impressionar, ser a menina frágil é o que ela faz de melhor, mas apesar de conseguir demonstrar força em alguns momentos, às vezes deixa a personagem enfraquecer demais. Cris Hemsworth (Os Vingadores -The Avengers) é o caçador, encarregado inicialmente de matar a princesa e que acaba se tornando seu protetor, e consegue sustentar bem o papel, ser um brutamonte mal educado também faz o estilo dele, mas demonstra segurança nos momentos de emoção em que poderia não ter ido bem. Mas quem rouba a cena é Charlize Theron (Jovens Adultos) que, apesar de ser a antagonista, é responsável pelas melhores cenas do filme.
  
  Além das referências óbvias e necessárias à animação da Disney, como o vestido que Kristen usa quase o tempo todo, na cena da floresta e na ligação da princesa com os animais. Também encontramos uma pincelada de J. R. R. Tolkien, representada principalmente pelos anões que ao contrário da história infantil que mostra eles apenas como operários, nesse caso são representados como pequenos guerreiros e que se tornaram saqueadores por necessidade. E sua forma de se vestir, de falar e principalmente de agir lembra muito os anões da terra média. Sendo um deles interpretado pelo sensacional Ian McShane (Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas) e outro por Bob Hoskins (Juízo Final) que para quem não lembra é o ator do clássico Uma Cilada para Roger Rabbit.
  
  O filme é uma boa obra de aventura que continua a abrir portas para histórias habitualmente tidas como para crianças passarem a serem vistas por um ponto de vista mais adulto e infanto-juvenil, Tim Burton já fez um pouco isso com Alice no País das Maravilhas e parece estar se tornando uma tendência. E dentro dessa temática inclusive já é colocado na história, um triangulo amoroso entre a o príncipe, a princesa e o caçador, que na visão infantil não tem espaço.
  
  Não chega a ser uma batalha épica entre o bem e o mal, mas para uma história que poderia ser um fiasco – ainda mais sendo comandado pelo novato diretor Rupert Sanders – consegue no final das contas agradar em vários aspectos. E pelo jeito bastante gente gostou do resultado, já que não tem nem 1 mês do lançamento oficial e a Universal Pictures, produtora do filme, já anunciou que haverá uma continuação e Sanders já está escalado para dirigi-la. Com vão continuar essa história, sinceramente não sei, mas o que resta é torcer para não desandar com acontece em muitas continuações. O que sabemos é que veremos mais nas telonas da princesa branca como a neve e de lábios vermelhos como sangue.
  
  Feito com efeito: Finalmente podemos dizer que efeitos é o que não falta por aqui. Quando se recria um mundo de contos de fadas o que se espera é algo cheio de coisas mágicas e para isso a CG (computação gráfica) passa a ter um papel fundamental e nesse caso é muito bem utilizado e posso dizer que é uma das principais coisas que sustenta o filme.
  
  Só a personagem de Charlize Theron protagoniza várias cenas cheias de bons efeitos, desde sugar a vida das mulheres para ficar mais jovem, transformando-as em velhas diante das câmeras, assim como seu próprio envelhecimento quando vai perdendo os poderes (pelo jeito, só com CG mesmo pra essa mulher envelhecer), passando por transformar-se em corvos e até uma cena em que sai de um banho em uma fonte de leite, que mistura sensualidade e um ótimo efeito para fazer o corpo dela ser moldado pelo líquido.
  
  Os soldados de vidro negro também são bem maneiros, e como são criados pelo poder da bruxa fazem ligação com vidro do espelho mágico que está sempre próximo à bruxa e as cenas deles quebrando são ótimas. Por falar nisso, o espelho mágico, que é o encarregado de responder a famosa pergunta “Existe alguém mais bela do que eu?”, ganhou um visual bem interessante, com características de um espectro em forma humana, que se forma do material do espelho. Gostei bastante da abordagem, deixou o espelho com um jeito de personagem, assim como no conto de fadas.
  
  O trasgo que surge em certo momento também tem um trabalho de 3D muito bem feito, as expressões e a animação corporal do mostro chamam atenção e são o foco principal da cena, principalmente quando interage com a princesa. Nos anões também é utilizado efeito para fazer com que eles fiquem com tamanho reduzido, porque não são anões de verdade (pelo menos, nem todos).
  
  E fechando essa sessão por hoje (e acho que para quem gosta só os efeitos já valem o filme) toda a sequência de cena dentro do santuário (que obviamente eu não vou dizer o que é) tem efeitos excelentes, com um visual muito bonito e o final da cena tem um efeito bem legal, envolvendo borboletas. É isso pessoal, tem mais coisas no meio da história, mas esses são os que mais gostei, sintam-se à vontade para comentar outros.
  
: Para uma adaptação de um conto de fadas feito para crianças até que esse filme conseguiu atingir proporções que eu não imaginava. Teve um bom desempenho da equipe de atores e os efeitos te levam bem de uma cena pra outra e vc fica imaginando qual vai ser a próxima cena que vai agradar os olhos. Ainda que não tenha a força necessária para ser espetacular, consegue ser um bom divertimento!
  
  Mas dentro de tudo isso existe um show à parte que é conduzido por Charlize Theron. Umas das grandes divas do cinema, ela faz um grande trabalho como a bruxa Ravenna e dá aula de expressões, conseguindo mudar com facilidade o sentimento demonstrado e passeia pelas diversas faces da bruxa, seja ela de maldade, reocupação, medo, sofrimento, ou até mesmo uma fragilidade em certos momentos e também um amor meio doentio pelo irmão. E mesmo quando é má, sabe ser com estilo, encarna a verdadeira bruxa/rainha dos contos de fadas. E sem dúvidas meu destaque hoje é pra essa amiga antiga da família, e que anda meio afastada nos últimos anos, mas parece querer voltar para a companhia dos Oscars a qualquer momento.
  
  Será uma boa disputa ver quem fica melhor como megera de contos de fada, Charlize ou Angelina Jolie (O Turista) que será a bruxa Malévola, na releitura do conto de fadas - também da Disney - A Bela Adormecida para os cinemas, que terá o nome da personagem e que está previsto para 2014 (Saibamais sobre Maleficent). E vcs apostam em quem?!?
  
Ed: Sempre gostei mais dos contos dos irmãos Grimm, prefiro as coisas mais sombrias e macabras!!! Até se esforçaram pra fazer algo parecido, mas falta muito ainda. E como a minha função aqui não é falar do que eu gosto, vamos ao que interessa...
  
  Definitivamente a estrela da Saga Crepúsculo não me convence. Alguém precisa avisa pra Stewart que não é porque a história é meio triste e a vida da menina passa por problemas que ela tem que ficar com cara de sofrimento o filme todo, muitas vezes fico na dúvida se essa menina sabe realmente sorri. Não importa se as coisas estão boas ou ruins, ela parece sempre que está prestes a chorar, ela precisa relaxar um pouco. Junta-se a isso, aos momentos de mosca morte que ela ainda não conseguiu se livrar completamente e algumas vezes vc fica com vontade de torcer pra rainha pegar a Branca de neve pra ela deixar de ser boba.
  
  E ainda esse papo de criarem um triângulo amoroso, essa menina apesar de meio boba, é bem safadinha né?!? De novo ela tá em dúvida entre dois caras, primeiro foi o vampiro e o lobisomem, agora o caçador e o príncipe...sei não hein, tem que ver isso aí...
  
  Aliás, mais alguém notou que o príncipe fica meio de lado na história??? Nem em conto de fadas o cara que é muito certinho tá se dando bem mais, o mundo tá todo do avesso mesmo!!!
  
  E criaram muita expectativa pra luta final entre a princesa e a bruxa/madrasta, mas não me impressionou muito, quando vi o início da invasão do castelo achei até que podia azedar pro meu lado, mas a luta nem foi isso tudo. E já estão dizendo que vem outro por aí, quero ver o que vão inventar. Quem aí acha que a série desanda no próximo filme levanta a mão... _o/
  

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem aí, suas opiniões são bem vindas e fazem o CA bem mais divertido, mas mantenham o bom senso ok? Perguntas serão respondidas sempre que possível...