segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Crítica da Semana -- Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge



O fim de uma Era
  
  7 anos atrás, Christopher Nolan (A Origem) reiniciava uma série de filmes de um super herói que parecia ter se perdido nos cinemas. Desde os dois primeiros dirigidos por Tim Burton (Sombras da Noite) em 1989 e 1992, os filmes do príncipe negro de Gotham tiveram dois desacertos dirigidos por Joel Schumacher, que mais recentemente dirigiu o fraco Reféns, até encontrar seu recomeço e seu retorno as grandes bilheterias com Batman Begins. Agora a saga criada por Nolan chega ao final com Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge fechando uma trilogia que certamente fica para a história do cinema e que finalmente devolve o brilho nas telonas que o Homem Morcego sempre teve nos quadrinhos.
  
  Depois do sucesso dos dois primeiros filmes, o último já começa com força total nas primeiras cenas, mostrando que o diretor tem confiança na obra que montou, o clima se mantém sombrio e com muita ação praticamente o tempo todo, de cena em cena, vemos uma Gotham que vive uma aparente calmaria, aos poucos ir se transformando em um lugar tomado mais uma vez pelo caos, a ponto de se criar praticamente uma guerra civil entre os mais favorecidos financeiramente e os exilados da sociedade e no meio disso a polícia da cidade tenta em vão evitar os desastres, mas o verdadeiro herói que havia sido marginalizado por ser considerado culpado da morte de Harvey Dent (no segundo filme) estará pronto mais uma vez para fazer o que for necessário pela sua cidade.
  
  Christian Bale (O Vencedor) veste mais uma vez bem o uniforme preto e mantém sua atuação firme, consciente e discreta. E digo discreta na medida certa, porque acho o Bruce Wayne dele um personagem muito mais introspectivo do que seus antecessores no papel e com exceção do primeiro, os outros filmes não tem o Batman como destaque da história (por incrível que pareça!), mas ele está ali como um elemento de algo maior. Não tendo o foco todo em cima dele, Bale (que acho um grande ator) às vezes passa despercebido. Ao contrário de Michael Caine (Viagem 2: A Ilha Misteriosa) que entrega um Alfred sensacional, o personagem que em outros filmes era bastante secundário, já vinha ganhando destaque desde o segundo capítulo da nova trilogia e tem grande participação na construção da vida pessoal de Bruce Wayne (que ganha uma importância maior na história desse filme) e Caine tem uma atuação excelente com muita entrega e confiança, grande momento para o ator que confirma a boa escolha de Nolan em colocá-lo no papel.
  
  Outros que continuam muito bem em suas atuações são Gary Oldman com o (agora) Comissário Gordon e Morgan Freeman como Fox que além de Gestor das indústrias Wayne é quem fornece as armas do Homem Morcego.
  
  Um personagem que me preocupava muito era Bane, como fazer um vilão que convença e ganhe o respeito do público depois do Coringa de Heath Leadger? Parece que Nolan tinha a resposta desde o início, Bane é exatamente o que é preciso pra isso, não estou nem falando da atuação de Tom Hardy (Guerra é Guerra!), mas da força do inimigo para a história. Ele caiu como uma luva, por ter um estilo frio, calculista e um ótimo racionalismo para o mal, tal qual o de seu antecessor nos crimes em Gotham, mas no lugar da histeria psicótica, espalhafatosa e doentiamente bem humorada do palhaço, entra em cena a brutalidade mal humorada e de poucas palavras de Bane. E com isso quem ganha é a história.
  
  Anne Hathaway (Alice no País das Maravilhas) que não me agradou muito, apesar dela ser uma grande atriz e indiscutivelmente ser linda em cena, como Mulher gato não deu muito certo, eu já contava com essa possibilidade (pelo jeito da Anne), não é um papel que caiu bem nela e acabou faltando algumas coisas importantes para a personagem.
  
  Se tudo isso já não fosse suficiente para um grande filme, ainda gostei muito da humanização do herói que a história deixa transparecer, coisas que nunca foi muito forte nos filmes do Batman, as limitações do corpo de Bruce Wayne, interferem na performance do cavaleiro negro e o lado sentimental ganha destaque, principalmente na figura do Alfred e na memória de sua amada Rachel. E vemos Bruce ter que voltar ao fundo do poço (da mesma forma que inicia sua jornada de paladino no primeiro filme da trilogia) para voltar a ser o símbolo que Gotham sempre precisou.
  
  A saga termina de forma muito boa, deixando um marco na história do cinema, do personagem, do diretor (mais um no caso dele) e de todos que participaram da trilogia. Encerra com uma história bem construída com um final criativo, sem abrir mão das cenas bem humoradas que acontecem a todo o momento e que têm em suas quase 3h de filme muitas cenas épicas, entre elas uma cena no estilo das guerras de época em um cenário totalmente moderno, no meio de uma cidade, que faz pensar o quanto grandioso foi todo esse projeto. E o mais legal, Chris Nolan não fez questão de colocar um ponto final em tudo, apesar de ele ter garantido que esse será seu último filme dessa franquia (será???), e sim de deixar claro que independente dos caminhos que sigam o legado e o símbolo de Batman viverão para sempre.
  
  Feito com Efeito: Ufa...por onde começar??? É até difícil falar dos efeitos desse filme, porque são tantas coisas e tantos detalhes que chega a fazer ficar de olhos grudados e a qualidade dos efeitos fazem todos passarem naturalmente, como a explosão do campo de futebol americano que é muito boa. As cenas de lutas também são bem feitas e os movimentos muito bons, principalmente os da Anne Hathaway, a forma dela lutar, ágil e cheia de movimentos plásticos é muito bem realizada e provavelmente utilizou vários truques de cordas para gerar esse efeito.
  
  Outra cena que gostei muito dos efeitos foi a explosão das pontes que ligam Gotham ao resto do país, a cena daquela ponte explodindo ao meio como se fosse uma pequena maquete, teve um trabalho de 3D, composição e partículas que trabalharam em uma harmonia muito boa!!!
  
  Sem falar é claro nos ~ pequenos ~ meios de transporte do Morcegão que já são um show desde os outros filmes e que ganharam agora uma versão voadora que ficou sensacional, como sempre mantendo o estilo rústico que lembra um veículo de guerra, mas só que dessa vez com jatos propulsores. O pessoal do 3D perdeu boas horas em cima dessas cenas com certeza.
  
  Pra fechar (tem muito mais, vai ficar enorme se eu continuar)...entre tantas boas cenas teve uma que eu não gostei, que é naquela parte que Bruce está na cadeia que é um fosso. Não vou dizer exatamente o que é pra não correr o risco de fazer spoiller, mas quase da pra ver as cordas presas nele em determinado momento (claro que to falando da corda usada para fazer o efeito, não da que realmente ele coloca na cintura na cena). Quem não entendeu preste atenção no filme que vão perceber o que eu to dizendo.
  
  E aí tem alguma outra cena dos efeitos que vcs gostaram mais?? Comentem aí!
  
: Realmente um filme que daqui a alguns anos vamos chamar de um clássico, não só esse, como toda a trilogia e esse veio pra fechar um trabalho muito bem feito desde o primeiro. E nesse muitos destaques aconteceram, um deles já foi até comentado na crítica, realmente Michael fez um Alfred muito bom!!!
  
  E apesar da tragédia que aconteceu na estreia no Colorado, nos Estados Unidos com o atirador, o filme mostrou que te força e qualidade para passar pelos problemas e ser um grande sucesso. Vale comentar também da atitude de Christian que mostrou muita solidariedade ao ir visitar várias vítimas do incidente. E apesar dos vários destaques que acredito que poderiam ser dados, vou me ater a um principal para não me alongar muito... e não há como ser outro que não o diretor Chris Nolan que apostou em um personagem que estava meio desacreditado e o transformou o de novo em um grande sucesso de bilheteria. O filme não é só um deleite visual e uma história de super herói, mas também possui um forte contexto político embutido nas entrelinhas de sua história. O diretor disse desde o primeiro que colocaria sua série de filmes na história e tenho certeza que conseguiu.
  
  Não será surpresa nenhuma se tivermos algumas aparições desse filme na cerimônia desse ano da Academia e eu gostaria principalmente de uma indicação para Michael Caine como Ator Coadjuvante, mas sabem como é a cabeça daqueles velhos por lá né?!? E não seria estranha uma indicação para o Chris e para prêmios técnicos como efeitos e direção de arte. Se realmente terão peso para entra para a família é cedo pra dizer, porque ainda tem muitos filmes por aí, mas certamente o nome desse desfecho da trilogia será ainda muito comentando lá na terra do Tio Sam.
  
Ed: As pessoas não podem ver um filme que parece ser melhorzinho e já acham que meu trabalho vai ser difícil, mas eu to acostumado...e o Nolan acaba sempre deixando uma brecha aqui e ali (A Origem não vem ao caso, já que não estamos falando disso, ok?!?). Então vamos aos detalhes...
  
  Pra começar a escolha de Anne Hathaway para o papel de mulher gato não foi uma escolha muito feliz. Não me importa se ela é uma boa atriz, estou julgando esse personagem e nesse ela não encaixou, ela pode ser linda, mas não passa aquele tipo de sensualidade fatal que espera-se da Mulher gato. Não adianta só se vestir de roupa de borracha preta e ter um corpo bonito, a personagem pede um tipo específico de sensualidade que a Hathaway não sabe passar. Ela é tão boazinha e tem tanto esse jeitinho de boa menina que até na hora de passar o lado vilã que a personagem sempre teve, passa mais de coitada do que de bandida. Achei que Nolan exagerou na hora de amenizar a personagem. Sempre que a mulher gato esteve nos filmes, tinha o papel de ser uma segunda vilã, porém com uma paixão platônica pelo Morcegão e nesse caso ela não chega a ganhar força como uma adversária. É quase uma rebelde mascarada, nada mais que isso!!!
  
  E outra coisa, pra que criar um vilão do tipo do Bane, pra na hora de resolver a história com ele, ser algo tão jogado fora??? Achei o desfecho da luta dele com o herói bem fraco, faltou uma pouco mais de adrenalina, acabou sendo simples demais (deixarei vcs verem pra descobrir e tirar suas próprias conclusões é claro...mas lembrem-se de que eu geralmente estou certo!!! =P)
  
  E vou encerrando por aqui pra não ficar falando demais, tenho dito por hoje!!!
  
  

3 comentários:

  1. Por favor, alguem que tenha um blog pode me explicar esse site? O_o

    www.divulgablog.site11.com

    É isso mesmo?

    ResponderExcluir
  2. não curti esse filme o Batman so apanha;; e na moral sempre me acustumei ao Batman Gênio da liga da justiça..o Batman sombrio q escapava de tudo..sempre um passo a frente dos inimigos.. esse Batman é burro chega a ser patetico..ai veste a roupa engrossa a voz e so.. muito fraco esse batman. Os vilões roubaram a cena pra falar verdade o coringa do outro filme roubou a cena..por que no mais muito fraco.. e essa historia do Bane nada ver com nada...fraco esse filme..

    ResponderExcluir
  3. Fraco é vc, vai ver os outros 2 filmes antes de falar alguma coisa, critico de gibi.

    ResponderExcluir

Comentem aí, suas opiniões são bem vindas e fazem o CA bem mais divertido, mas mantenham o bom senso ok? Perguntas serão respondidas sempre que possível...